Red Dead Redemption 2 levou oito anos para ser desenvolvido

Red Dead Redemption 2 promete ser um dos maiores jogos que o estúdio Rockstar Games já trabalhou. Com um enorme mundo aberto para os jogadores explorarem e uma história consistente, o game tem tudo para ser um dos melhores do ano e segundo Rob Nelson, chefe do co-estúdio Rockstar North, isso se deve a oito longos anos de desenvolvimento.

De acordo com Nelson, a ideia sobre a sequência do primeiro Red Dead começou a ser planejada logo após o término do primeiro jogo, em 2010. A equipe que trabalhou no primeiro game, começou a pensar em como poderiam continuar uma história que já era consistente por si só, e após muitas discussões, começaram pouco a pouco a dar formato ao projeto principal que agora foi apresentado aos jogadores.

Todos os estúdios da Rockstar ao redor do mundo trabalharam como um único time para desenvolver este jogo. É um projeto muito ambicioso devido ao funcionamento e o seu enorme mundo aberto e, isso exigiu a participação de todos.

Sim, utilizamos bem estes oito anos de desenvolvimento. Começamos a trabalhar em Red Dead Redemption 2, com as primeiras ideias, conceito, assim que terminamos o primeiro, disse Nelson.

Foi uma equipe pequena em San Diego que já tinha trabalhado no primeiro que começou a pensar nisso. Dan Houser já pensava na história e no que se passaria nesta sequência. Mas ele apenas tinha a história por assim dizer, o universo, a direção a seguir, o tipo de história que queria contar e qual o universo que iríamos propor.

Existem muitos sistemas complexos integrados no novo Red Dead Redemption. Por exemplo, a caça não é tão simples como você pode ter visto em outros jogos. Não é apenas uma fonte de alimento para a gangue, mas uma matança limpa é valiosa no mercado. Usar certos tipos de armas para caçar é a única maneira de garantir que o animal permaneça intacto. Não será possível vender carne danificada.

Red Dead Redemption 2 será lançado em 26 de outubro para PS4 e Xbox One.

Redator

Sandro Felix é redator e co-fundador do TecnoGames Brasil. Para ele, os jogos são mais do que entretenimento, é uma vida, uma paixão.