França adia proposta fiscal que deve cobrar imposto das gigantes da internet

A França disse na terça-feira que está preparada para adiar um imposto em toda a UE sobre gigantes de alta tecnologia, a fim de salvar uma proposta que enfrente a oposição da Irlanda e dos países nórdicos.

Paris tem pressionado seus parceiros da União Européia a impor um novo imposto para garantir que plataformas tecnológicas globais como Facebook e Google paguem sua parte justa.

Mas o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, disse que a França agora concorda com a Alemanha que o imposto pode ser adiado enquanto uma solução mais internacional é buscada.

Na segunda-feira, o alemão Olaf Scholz, do Le Maire, apoiou um imposto europeu, mas apenas se uma solução mais ampla não for encontrada “dentro de um ano e meio”.

Chegando a uma reunião de ministros das Finanças da UE em Bruxelas, Le Maire disse à AFP que o projeto de lei da UE “deve ser adotado em dezembro de 2018 … mas estamos abertos a adiar a entrada em vigor para dar tempo para a OCDE fazer uma proposta mais abrangente “.

“Não há discordância com o Sr. Scholz sobre isso. Nós compartilhamos a mesma análise, há dificuldades técnicas para resolver e devemos resolvê-las nas próximas quatro semanas”, disse Le Maire.

A mudança de rumo ocorre depois que a França e a Comissão Européia defenderam pela primeira vez uma solução provisória em todo o bloco até que um esquema internacional seja encontrado na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que agrupa as principais economias mundiais.

Paris argumenta que a medida seria uma conquista ganhadora de votos para os principais políticos da UE antes das eleições para o Parlamento Europeu em maio próximo, nas quais os populistas anti-Bruxelas poderiam se sair bem.

Mas a Irlanda, que abriga a sede européia de várias gigantes da tecnologia norte-americana, lidera um pequeno grupo de países que, em sua maioria, são nórdicos e argumentam que o imposto também castigará empresas européias e estimulará a ira de Washington.

“Tudo é possível na política, mas acho muito difícil ver um acordo sobre o imposto nos serviços digitais”, disse o ministro das Finanças da Dinamarca, Kristian Jensen.

Dada a maneira que o imposto “foi enquadrado visando empresas dos EUA, é provável que haverá uma reação dos americanos”, alertou.

A proposta da UE também tem a intenção de impedir que outros países sigam seus próprios impostos digitais e criem uma série de esquemas em todo o continente.

Alguns estados membros da UE, como a Grã-Bretanha, a Espanha e a Itália, também estão trabalhando em versões nacionais de um imposto digital, com Cingapura e a Índia.

Redator

Edilson Félix é redator e co-fundador do TecnoGames Brasil. Vive constantemente conectado no mundo da tecnologia, surfando na onda das novidades.