• Facebook
  • Instagram
  • Twitter
Pesquisadores estão desenvolvendo estruturas de origami pra possivelmente abrigar astronautas na Lua e em Marte

Estruturas de origami poderiam abrigar astronautas na Lua e em Marte

Por

25/09/18 às 14:37

Uma equipe de pesquisa colaborativa chamada MoonMars está desenvolvendo uma maneira simples e versátil de construir habitats fora da terra usando o origami. Feitas de materiais de alto desempenho, as bases de origami poderiam ser auto-montáveis ​​e capazes de se reconfigurarem para atender às necessidades futuras.

Construir as primeiras bases na Lua e em Marte estará longe de ser fácil. Ao contrário dos projetos de construção na Terra, a instalação de habitats pré-fabricados em outros planetas, parece ser a solução mais viável por enquanto.

Segundo a equipe, tais estruturas seriam leves e poderiam ser facilmente alteradas para fornecer novos tamanhos e configurações para necessidades futuras. Além disso, a natureza do origami oferece outras vantagens.

Pesquisadores estão desenvolvendo estruturas de origami pra possivelmente abrigar astronautas na Lua e em Marte

As facetas angulares e planas do origami seriam capazes de desviar os micrometeoritos. Outra vantagem é que, as facetas podem ter painéis solares montados sobre elas e, em seguida, mudar seus ângulos ao longo do dia para alcançar maior eficiência de energia e também poderiam mudar sua cor e transparência para controlar a temperatura do habitat.

A equipe do projeto origami realizou testes iniciais com um protótipo em abril, e testes mais ambiciosos estão planejados para 2019.

“O Origami para arquitetura espacial promove abordagens e aplicações interdisciplinares, fornecendo métodos de produção e design de ponta”, diz Anna Sitnikova, líder do projeto MoonMars. “Habitats aprimorados por tais estruturas são temporais e vivos, pois são capazes de se transformar e se redefinir em ressonância com fatores humanos e ambientais”.

Os resultados dos testes iniciais serão apresentados no Congresso Europeu de Ciências Planetárias (EPSC) 2018, em Berlim.

Deixe seu comentário