• Facebook
  • Instagram
  • Twitter
Pesquisadores desenvolveram um dispositivo portátil que ajuda na prevenção diagnosticando doença em fase inicial

Dispositivo portátil ajuda na prevenção diagnosticando doença em fase inicial

Por

25/09/18 às 15:29

Pesquisadores da Universidade de Glasgow desenvolveram um pequeno dispositivo de mão que pode procurar biomarcadores para diagnosticar facilmente pessoas com certas doenças e enfermidades. Inspirado no tricorder de Star Trek , o novo “multicorder” é projetado para ajudar os médicos a rastrear a presença ou a progressão de uma doença de qualquer lugar.

No centro do dispositivo está um chip CMOS (complementary metal oxide semiconductor). A maioria das pessoas pode associar esses chips a câmeras, mas esses sensores eficazes e baratos aparecem em todos os tipos de dispositivos de imagem.

Nesse caso, esse sensor é dividido em quatro zonas de reação, cada uma na busca de diferentes metabólitos – moléculas de biomarcadores encontradas em amostras de fluidos corporais, como urina ou soro. Ao olhar para a presença e quantidade desses metabólitos, os médicos podem diagnosticar certas doenças em um paciente.

“Temos sido capazes de detectar e medir vários metabólitos associados ao infarto do miocárdio, ou ataque cardíaco e câncer de próstata simultaneamente usando este dispositivo”, diz Samadhan Patil, principal autor do estudo. “Este dispositivo tem potencial para rastrear a progressão da doença em sua fase inicial e é ideal para o prognóstico subsequente”.

Pesquisadores desenvolveram um dispositivo portátil que ajuda na prevenção diagnosticando doença em fase inicial

Uma parte essencial do design do multicorder é a portabilidade. O chip CMOS mede 3,4 x 3,6 mm e todo o dispositivo cabe na palma da sua mão. Ele terceiriza seu poder de computação para um telefone ou tablet Android, ao qual ele se conecta via Micro USB. E o melhor de tudo é que aparentemente ele pode retornar resultados em apenas dois minutos.

“Dispositivos portáteis como esse que ajudam nos diagnósticos e que ainda são de baixo custo, abrem uma ampla gama de aplicações futuras, com este último desenvolvimento, damos um passo importante na possibilidade de colocá-lo no mercado”, diz David Cumming, participante do projeto, que ainda citou, “É um avanço empolgante e estamos ansiosos para continuar construindo a tecnologia que desenvolvemos até agora.”

Deixe seu comentário