Processadores AMD Ryzen com arquitetura Zen 2 podem chegar com 16 núcleos e até 15% mais eficientes

2017 foi o ano da ressurreição da AMD, 2018 está sendo o da consagração em termos de processadores, e já 2019 será o futuro, onde provavelmente a marca dará um passo a frente na evolução dos nanômetro, aumentando assim a eficiência de suas CPU.

Com a arquitetura Zen, a AMD lançou no ano passado processadores com um grande número de núcleos disponíveis (oito no máximo, para serem específicos). A primeira geração do Ryzen, apesar de interessante, teve alguns problemas em termos de gerenciamento de memória. Mas isso é algo que foi resolvido com o Ryzen 2.

Este ano vimos a segunda geração de processadores Ryzen “forçando” a máquina um pouco e levando a primeira versão da arquitetura Zen ao limite. No entanto, a AMD não parou e continuou a refinar essa arquitetura para o lançamento do AMD Zen 2 previsto para 2019.

No momento, a AMD está focada no lançamento dos novos processadores Threadripper 2 com até 32 núcleos, mas já está pensando no novo Ryzen com soquete AM4 e, de acordo com os rumores, eles serão bastante interessantes.

E, foi vazado que no início de 2019 chegará o Ryzen 3000, esses processadores estrearão com a arquitetura AMD Zen 2 e que, além disso, serão fabricados em 7 nanômetros. Ou seja, eles serão mais eficientes em termos de desempenho e consumo de energia do que os atuais.

Isso resultará em um aumento entre 10% e 15% de CPI, ou “instruções por ciclo”, que a geração atual de processadores Ryzen. Além disso, outro avanço que trará o processo de fabricação em 7 nanômetros será o aumento de núcleos.

Há rumores de que o novo Ryzen chegará ao mercado com até 16 núcleos, que é o dobro do atual Ryzen 2700X, o mais poderoso da família “mainstream” da AMD.

Mas até o momento a AMD não confirmou esses detalhes.

Redator

Edilson Félix é redator e co-fundador do TecnoGames Brasil. Vive constantemente conectado no mundo da tecnologia, surfando na onda das novidades.