Facebook confirma parcerias de compartilhamento de dados com empresas chinesas

Após relatórios de obscuras táticas de compartilhamento de dados, o Facebook confirmou na terça-feira as parcerias que deram às empresas chinesas acesso a informações de usuários sem consentimento explícito.

Os acordos com pelo menos quatro empresas chinesas, incluindo a fabricante líder de smartphones Huawei, permitiram o uso de recursos populares para construir experiências de mídia social em suas próprias plataformas.

Mas, mais do que os algoritmos de mensagens e os botões “curtir”, o Facebook supostamente divulgou informações pessoais – mesmo depois de prometer que isso acabaria com essas práticas.

A Huawei, fabricante de computadores Lenovo, e os fabricantes de smartphones OPPO e TCL estão entre as 60 empresas globais que recebem dados não autorizados de usuários após se alistarem no Facebook.

Essas práticas desonestas rapidamente despertaram o interesse do governo dos EUA.

“A notícia de que o Facebook permitiu acesso de dados dos usuários a fabricantes de dispositivos chineses, como Huawei e TCL, levanta preocupações legítimas”, disse o senador Mark Warner (D-VA), em um comunicado divulgado pela Reuters .

“Estou ansioso para saber mais sobre como o Facebook garantiu que as informações sobre seus usuários não fossem enviadas para servidores chineses”, acrescentou.

A rede social justificou seus acordos, afirmando que contratos “eram estritamente limitados” ao uso de dados, funcionários alegaram que não estavam cientes de quaisquer casos em que a informação foi mal utilizada.

Um executivo do Facebook não identificado disse à Reuters que a empresa gerenciou cuidadosamente o acesso que deu às empresas chinesas.

“O Facebook, juntamente com muitas outras empresas de tecnologia dos EUA, trabalhou com diversas fabricantes chinesas para integrar seus serviços a esses telefones”, disse Francisco Varela, vice-presidente de parcerias móveis do Facebook, em um comunicado.

“As integrações do Facebook com a Huawei, Lenovo, OPPO e TCL foram controladas desde o início”, continuou ele. “E aprovamos as experiências do Facebook que essas empresas construíram”.

Varela garantiu aos usuários que “todas as informações dessas integrações com a Huawei estavam armazenadas no dispositivo, não nos servidores da Huawei”.

Ime Archibong, vice-presidente de parcerias de produtos, ecoou essa declaração, escrevendo em um post no blog de domingo que os parceiros “assinaram acordos que impediam que as informações do Facebook das pessoas fossem usadas para qualquer outra finalidade além de recriar experiências similares ao Facebook”.

“Ao contrário das alegações do The New York Times ”, ele explicou, “as informações dos amigos, como fotos, só eram acessíveis em dispositivos quando as pessoas tomavam a decisão de compartilhar suas informações com esses amigos. Não temos conhecimento de nenhum abuso dessas empresas. ”

Esse é mais um caso envolvendo dados dos usuários em que o facebook terá que se explicar.

Redator

Edilson Félix é redator e co-fundador do TecnoGames Brasil. Vive constantemente conectado no mundo da tecnologia, surfando na onda das novidades.