Mineração de Bitcoin está aumentando a demanda por energia elétrica

A alta demanda de energia elétrica necessária para minerar bitcoins está sendo tão contestado quanto o casamento real deste fim de semana.

A criptomoeda faminta por Megawatts exige enormes quantidades de energia para processar transações financeiras peer-to-peer. (Da mesma forma, as núpcias de Meghan e Harry estão custando milhões de libras aos contribuintes do Reino Unido.)

Um novo estudo estima que o processo atual de mineração da bitcoin consome pelo menos 2,55 gigawatts de eletricidade – quase o mesmo tanto consumido pela Irlanda. E esse número só deve crescer, segundo o analista Alex de Vries, que previu 7,67 gigawatts.

Esses números são especulativos – a mineração de bitcoin, afinal, é um negócio secreto. Embora possamos estimar facilmente o poder computacional total da rede, não há como calcular o uso de energia de mineradores individuais.

Também é impossível identificar o número exato de dispositivos conectados. Estima-se que a rede tenha cerca de 10.000 nós conectados, cada um dos quais pode representar uma ou várias máquinas.

Mineração de Bitcoin está aumentando a demanda por energia elétrica

“Um hashrate de 14 terahashes por segundo pode vir de um único Antminer S9 que consome até 1.372 watts de energia, disse a pesquisa de Vries.

Com isto dito, as taxas reais de consumo de energia são provavelmente significativamente maiores do que Vries descreve.

Supondo que o preço do bitcoin continue a subir, não demorará muito para que o custo da eletricidade supere a eficiência da moeda, e alguns mineiros terão que desistir.

A primeira moeda digital descentralizada, o bitcoin funciona sem um banco central ou administrador único; as transações ocorrem diretamente entre os usuários e são verificadas pelos nós da rede e registradas no blockchain.

Em fevereiro, a empresa de energia islandesa HS Orka informou um aumento “exponencial” na mineração de bitcoin que está monopolizando os recursos de energia do país. Provavelmente o uso de eletricidade nos data centers de mineração exceda o da população de 340.000 até o final de 2018.

Felizmente, a comunidade de desenvolvimento de bitcoins está experimentando soluções para melhorar o rendimento da rede e aliviar a crise de energia.

“Por enquanto, no entanto, o bitcoin tem um grande problema, e está crescendo rapidamente”, alertou De Vries.

 

Redator

Edilson Félix é redator e co-fundador do TecnoGames Brasil. Vive constantemente conectado no mundo da tecnologia, surfando na onda das novidades.